Um blog sobre empreendedorismo, negócios digitais e cursos online


Não perca mais nenhuma novidade!

Assine nosso blog e ative as notificações para receber os melhores conteúdos sobre empreendedorismo


Neuromarketing: o que é e como aplicar no seu negócio

neuromarketing

Neuromarketing é uma área da ciência que investiga a influência das emoções sobre o comportamento dos consumidores. 

 

No mercado digital, se fala bastante sobre a importância de definir um público-alvo, traçar uma persona… Tudo com o objetivo de entender as necessidades dos clientes. E se só isso não fosse o suficiente? Pois é, nunca foi. Mas o neuromarketing explica por quê.

 

Quando se fala em estudo da persona, fica subentendido que esse cliente ideal exprime, de alguma forma, suas necessidades e dores. O neuromarketing atua junto aos consumidores que não expressam esses desejos, em algum momento. O que é mais frequente do que você imagina. 

 

Pedro Camargo, uma das maiores autoridades em neuromarketing no Brasil, declara que grande parte dos nossos atos econômicos é irracional, e a Forebrain, empresa pioneira nesse campo, por meio de pesquisas, verificou que muitas informações que chegam aos nossos cérebros são processadas de forma inconsciente.

 

Se você se interessou pelo assunto, nas próximas linhas será apresentado como aplicar essa dica no seu negócio também!

 

O que é neuromarketing e qual sua utilidade

 

Neuromarketing não é só uma correlação entre biologia e mercadologia. Também envolve a neuroeconomia, que pesquisa os variados tipos de decisões econômicas, e a neurociência do consumidor, que adota métodos neurocientíficos para entender o padrão de consumo dos clientes.

 

Um marco relevante para essa ciência foi o experimento que a Pepsi fez nos anos 70. O desafio consistiu na disponibilização de várias amostras de Coca-Cola e Pepsi em shoppings e mercados no mundo todo. 

 

Mais da metade das pessoas que experimentaram uma pequena porção, sem saber de quais bebidas se tratavam, preferiram Pepsi — sendo que o líder mundial de refrigerantes era a Coca-Cola desde aquela época (inclusive, até 2019, foi líder por sete anos consecutivos). 

 

Portanto, a conclusão foi a de que o consumidor não é tão racional como se supunha. Outra consideração de desfecho é que os mercadólogos da Coca-Cola aparentemente têm muito o que ensinar quando se fala em neuromarketing, não é mesmo? 

 

criar e vender cursos online no sparkmembers

 

Casos em que as marcas obtiveram vantagens do neuromarketing

 

A embalagem do leite condensado da Nestlé, Leite Moça, existe desde os anos 40, mas, em 2004, passou por uma reformulação baseada em princípios neuromercadológicos — que resultou em sucesso entre os consumidores e vitória no prêmio de inovação do Centro Nestlé de Embalagem, na Suíça. 

 

A fonte utilizada na lata, manuscrita, desperta a atenção do visualizador do produto e auxilia no reconhecimento da marca  (assim como a fonte escolhida para a logo da Coca-Cola). Além disso, o formato da embalagem ‘acinturado’ cria uma identificação com o público feminino, além de ser confortável na pegada manual do produto.

 

O desodorante Axe, voltado para o público masculino, também é conhecido entre os neuromercadólogos como produto de destaque. O produto foi lançado nos anos 80 na cor preta e sem figuras humanas, somente elementos abstratos. Entende-que o cérebro masculino é menos empático, portanto, não tem a atenção tão retida por rostos como as mulheres possuem. 

 

O fato de ter menos textos no produto também foi estrategicamente pensado. Os homens são menos ligados à linguagem. Por fim, o formato do desodorante remete a um objeto da mecânica, como a engrenagem de um automóvel.

Como aplicar neuromarketing em um negócio digital

Agora vamos ao que interessa para você, empreendedor digital. 

 

  • Utilize fontes simples para a call to action (CTA)

Faça o teste com você mesmo. Cronometre o tempo que você leva para ler um texto digitado em letra cursiva com o tempo necessário para ler o mesmo texto em uma fonte mais simples, como a famosa Arial. 

 

Fontes simples são mais rápidas e fáceis para a leitura, o que é o mais indicado para usar em uma CTA. Evite dar chances de o lead pensar muito antes de clicar no botão. 

 

  • Conheça a psicologia das formas

A Nestlé e a Axe aproveitaram muito bem disso nas embalagens, o que você pode fazer também com a sua própria logo e infoprodutos. 

 

Elementos circulares, além de feminilidade, remetem à estabilidade e à colaboração. Quadrados e retângulos são considerados ousados, mas também inspiram confiança por, inconscientemente, fazer os clientes pensarem em cofres. Triângulos, linhas, espirais… várias formam têm seus significados.

 

  • Incremente o conteúdo com gatilhos mentais

O conteúdo também é um recurso bastante utilizado no neuromarketing, e os gatilhos mentais fazem toda a diferença. 

 

Considerando o conceito de que algumas escolhas são inconscientes, você pode estimular uma compra devido à reciprocidade, ganhar vínculo com o consumidor por meio do despertar de emoções, gerar empolgação por apresentar uma novidade, aumentar o engajamento etc. 

 

  • Ajude os seus leitores a entenderem sua mensagem

Quase todo mundo evita o desconhecido. Por isso que, se o seu produto digital tiver poucas informações publicadas, você terá dificuldade com as vendas. 

 

Faça o que puder para favorecer o conhecimento sobre o seu produto ou serviço — utilize metáforas (ajudam no significado e na familiaridade, o que favorece a escolha), crie landing pages explicativas, simplifique a opção de compra (como um CTA de fonte simples, como mencionamos) e divulgue estatísticas sobre o seu negócio.

 

  • Explore o padrões de movimento dos olhos

Todos têm um mesmo padrão de rastreamento ocular, normalmente da esquerda para a direita e de cima para baixo, no ocidente. Então, além de isso guiar a legibilidade de textos, é particularmente útil na escolha das imagens. 

 

Vamos supor que você queira adicionar a imagem de uma pessoa praticando musculação a um artigo de blog deste nicho. No banco de imagens você encontra duas fotografias muito parecidas. Porém, em uma, há uma academia do lado esquerdo e um atleta do lado direito e, na outra, o oposto. Assim, a primeira imagem seria provavelmente a menos indicada porque a persona, que busca se identificar com o atleta, demora um pouco mais a enxergá-lo. 

 

O neuromarketing é um campo de estudo que alia marketing, biologia e economia, essencialmente. Não deixe dinheiro na mesa e alie as técnicas propostas no seu funil de vendas. Aproveite e confira este vídeo para saber como construir um bom funil de lançamento: 

 

 

Este conteúdo ficou claro para você? Se quiser ajuda nessa jornada, conte com o time do SparkStart

 

 

Mais artigos para você

Mercado Digital: o que é e como funciona

A transformação digital não é somente realidade, mas uma necessidade. Você sabe o que é mercado digital? Se você ou …

O que é negócio escalável e 3 ideias

Negócio escalável, cada vez mais, prova que não é uma buzzword ou palavra da moda. A alta lucratividade, além de …

O que é oratória e 4 dicas para falar bem no seu curso online

Se você pretende criar cursos online, é necessário saber o que é oratória e como usá-la para desenvolver aulas mais …

O que é NFT: entenda como funciona este registro digital

Você sabe o que é NFT? Ele é um registro digital que transforma o seu bem digital em algo único. …

Bruno Perini: saiba quem é e conheça seus projetos

Curioso, focado, organizado e com um objetivo muito claro e bem definido. Essas características podem definir bem quem é Bruno …

Psicologia das cores no marketing: entenda o significado

O marketing de uma empresa abrange diversos detalhes que devem ser pensados para que ela se destaque em meio às …