Estratégia de conteúdo data driven: 5 passos para aumentar vendas

pessoa apontando uma caneta para um gráfico em uma tela de computador. Imagem com filtro roxo e texto em destaque: conteúdo data driven

Um dos erros mais comuns que profissionais de marketing cometiam era presumir que a criatividade é o bastante para ter uma estratégia de conteúdo que traga resultados. Por isso, um aspecto fundamental para otimizar as campanhas era neglicenciado: os dados. 

O conteúdo precisa entregar resultados palpáveis para as empresas e isso só acontece quando os dados são usados para idealizar e produzir materiais que tenham repercussão com o público-alvo.

Por isso o conteúdo data driven, ou orientado por dados, ganhou popularidade e hoje, especialmente no marketing digital, a análise de dados se tornou o guia das estratégias de conteúdo.

Desde criar pesquisas e enquetes e analisar o comportamento dos usuários no site até acompanhar as tendências e fazer análise da competição, há muitas formas de coletar dados e usá-los para se tornar conhecido, gerar tráfego, converter e construir a reputação da sua marca.

Veja a seguir cinco formas de criar estratégias de conteúdo data driven e impulsionar o crescimento da sua marca.

Defina as Personas

O primeiro passo para implementar uma estratégia data driven é ter um entendimento profundo sobre quem é o seu cliente ideal. Para isso, não basta saber que o seu negócio foca em pais com idades entre 25 e 60 anos, por exemplo. 

É preciso ir além e criar representações detalhadas do seu público-alvo, e é aqui que as personas visuais entram em cena.

Criar personas precisas envolve entender os objetivos, necessidades, motivações e preferências do seu público e segmentar essas informações em alguns tipos de personas.

Fazer esse exercício permite que você crie conteúdo direcionado que realmente atinga as necessidades e gostos do seu público em todos os estágios do funil de vendas. 

Para obter os dados necessários para criar suas personas devidamente segmentadas, conduza pesquisas, entrevistas e enquetes com clientes e analise o comportamento dos usuários no seu site.

Você pode usar mapas mentais para apresentar visualmente o conteúdo e a jornada de cada persona, ajudando a organizar o processo. Veja um exemplo de mapa mental que apresenta a jornada do cliente baseado em uma persona específica:

Defina objetivos

Para criar conteúdos efetivos, é preciso definir objetivos, que podem variar de acordo com o perfil da empresa. Enquanto negócios B2C talvez estejam focados em impulsionar o engajamento e a fidelidade, empresas B2B tendem a uma construção mais lenta de geração de leads para nutri-los ao longo do funil de vendas.

Estas são as metas comuns de marketing de conteúdo que as empresas buscam:

  • Aumentar o reconhecimento da marca
  • Atrair o tráfego para site
  • Impulsionar o engajamento
  • Gerar leads
  • Gerar conversões e aumentar a receita
  • Aumentar a fidelidade e retenção do cliente

O mais importante é garantir que esses objetivos sejam alinhados com as metas do seu negócio e claramente mensuráveis, atingíveis e tenham um cronograma definido. 

Por exemplo: gerar X novos leads até janeiro e aumentar o tráfego do blog em 15% em dois meses. Assim, os dados que você tiver ao fim do período determinado ajudarão a fazer uma avaliação de desempenho baseada em dados

Uma boa prática é manter acessível para todas as equipes interessadas uma checklist com os objetivos para cada métrica. Assim, todos podem acompanhar o desempenho do conteúdo e saber quais metas ainda precisam ser atingidas, como essa checklist de marketing de conteúdo:

Analise os mecanismos de busca 

Após ter compreendido o seu público e estabelecido objetivos mensuráveis, é hora de passar para a fase da criação de conteúdo.

Para aumentar o tráfego orgânico, é fundamental usar ferramentas para encontrar palavras-chave que tenham um bom volume de busca no Google e sejam direcionadas ao seu público. Além disso, analise as intenções de busca para fortalecer a sua estratégia de conteúdo data driven. 

Imagem de oferta Mentoria Impulso Digital.

 

A análise de intenção de busca refere-se ao processo de compreensão do motivo oculto por trás de uma pesquisa específica em algum mecanismo de busca. Existem três tipos de intenção de busca:

  • Informacional
  • Navegacional
  • Transacional

Portanto, se você identificou a palavra-chave, uma análise SERP (Search Engine Results Page) dirá que a maioria dos artigos classificados para essa palavra-chave são sobre determinado assunto ou focados em um tipo de abordagem, indicando a intenção principal por trás dessa palavra-chave.

Portanto, se você quiser ter uma boa classificação para essa palavra nos mecanismos de busca, terá que otimizar seu conteúdo para essa intenção de pesquisa.

 

Identifique tendências

Outra maneira de encontrar ideias de conteúdo é usar o Google Trends para analisar tendências de pesquisa e padrões de consumo de conteúdo. Isso ajuda você a entender o que o público está procurando e, consequentemente, a criar conteúdo para atender às suas necessidades.

A equipe da Venngage publicou recentemente um estudo de marketing de conteúdo sobre as tendências de pesquisa durante a pandemia e o seu impacto nas estratégias de conteúdo. Sobre a indústria de fitness, por exemplo, o estudo revelou que houve uma queda nos termos relacionados a ‘academias perto de mim’ e ‘inscrições em academias’.

Ao mesmo tempo, houve um aumento nas pesquisas de termos relacionados a “planos de exercícios domésticos”, “equipamentos de ginástica” e “receitas saudáveis”. Isso prova que, embora as pessoas ainda estejam interessadas em manter um estilo de vida saudável, houve uma mudança nos caminhos que estão adotando.

Portanto, se você tem uma empresa no setor de fitness, convém aproveitar essas tendências e criar conteúdo que seja mais relevante para a época.

 

Acompanhe o desempenho

Um dos maiores erros que um profissional de marketing de conteúdo pode cometer é não monitorar o desempenho do seu conteúdo.

Lembra das metas que você estabeleceu na etapa dois? Após criar conteúdo e impulsionar a promoção, é hora de ver se esses objetivos foram alcançados. 

Aqui estão algumas métricas principais que você pode acompanhar para medir o sucesso:

  • Visitantes únicos
  • Visualizações de página e visualizações de página únicas
  • Tempo gasto na página
  • Taxa de rejeição
  • Visitantes recorrentes
  • Curtidas, comentários e compartilhamentos nas redes sociais
  • Posição no ranking dos mecanismos de busca

Você também deve aproveitar essas métricas para ter insights e criar um conteúdo melhor. Por exemplo, fique de olho nas consultas de pesquisa orgânica para entender o que os visitantes do site estão procurando e garantir que eles obtenham o que desejam.

Da mesma forma, verifique as “páginas principais” para identificar e analisar o conteúdo de alto desempenho para entender a que seu público está respondendo bem.

A taxa de rejeição é outra métrica que você não deve ignorar. Altas taxas de rejeição indicam que o conteúdo precisa ser examinado novamente porque aparentemente não está conseguindo envolver os usuários e gerar resultados.

Além disso, é comum ficar sobrecarregado com a avalanche de dados que o Google Analytics oferece. Por isso é uma boa ideia criar um mapa mental que conecte todos os conteúdos ao plano de distribuição e as métricas de desempenho. Isso o ajudará a entender os dados e monitorar o desempenho com facilidade.

 

Conclusão

Os dados desempenham um papel vital no marketing de conteúdo porque permitem que você entregue o conteúdo certo para o público certo.

Portanto, ao desenvolver uma estratégia, certifique-se de utilizar dados internos, obter dados externos e analisar tendências para criar conteúdo valioso e voltado para resultados com base em percepções verdadeiras e dados importantes.

Banner escola de psicanálise
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.