Um blog sobre empreendedorismo, negócios digitais e cursos online


Não perca mais nenhuma novidade!

Assine nosso blog e ative as notificações para receber os melhores conteúdos sobre empreendedorismo


Algoritmo do Google: como funciona e quais as principais atualizações

Algoritmo do Google

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

 

Uma simples busca no Google pode apresentar milhões de resultados, mas nem todos satisfazem o usuário. Para conseguir exibir conteúdos úteis, atualizados e relevantes, o maior site de pesquisa estabeleceu alguns critérios que otimizam as buscas – e tudo isso possível graças ao algoritmo do Google. Confira!

 

 

O que é um algoritmo? 

 

O algoritmo é como uma sequência lógica de instruções, realizadas sempre que um determinado comando é ativado. No caso do algoritmo do Google, a sequência começa a funcionar quando o usuário inicia uma pesquisa em busca de informações. Corresponde a um conjunto de operações responsáveis por definir a disposição dos resultados obtidos, ranqueá-los e apresentá-los ao usuário. 

Os critérios estabelecidos pelo algoritmo fazem com que o Google consiga apresentar uma lista de sites por ordem de relevância. Entender a lógica desses critérios é essencial para a realização de um bom trabalho de SEO

 

Como funciona o algoritmo do Google?

 

O algoritmo do Google entra em ação durante uma pesquisa no buscador, mas um longo caminho é traçado antes de chegar nessa etapa. Veja, a seguir:

 

1. Rastreamento 

O primeiro passo é o rastreamento das páginas disponíveis, através de um sistema de “crawlers”, a fim de organizá-las em um banco de dados. Esse serviço acontece a todo o momento e, para realizá-lo, são usados robôs, chamados de Googlebot, que vasculham o conteúdo de cada URL da web e armazenam essas informações no servidor. Também é possível que uma empresa crie uma lista com todas as páginas de seu site. Essa lista, chamada de sistemap, facilita tanto o rastreamento quanto a indexação do conteúdo, contanto que os códigos do site sejam limpos e simples.

 

2. Indexação 

Após o rastreamento, cada URL encontrado é armazenado em um banco de dados, onde estão diversos conteúdos da web. Eles serão organizados para que, posteriormente, sejam encontrados. As páginas são registradas no banco de dados a partir das palavras que contêm. No entanto, conforme o contexto, o buscador seleciona apenas as palavras-chave, que serão essenciais para que a página apareça no momento em que o usuário procurar pelo conteúdo.

 

3. Rankeamento 

Ao executar uma busca, o Google identifica e apresenta os melhores resultados, cuja ordem de relevância foi classificada pelos algoritmos responsáveis por analisar mais de 200 fatores de ranqueamento presentes no banco de dados.

 

Primeiro, o algoritmo do Google tenta “decifrar” o significado das palavras e entender o que o usuário está buscando. Depois, é feita a correspondência entre os termos de busca e o conteúdo das páginas que foram indexadas após o rastreamento. Se houver correspondência entre os termos, significa que a página é relevante para aquele tema.

 

Por último, as páginas são ordenadas por nível de relevância, levando em consideração termos de qualidade, confiabilidade e informação. Além disso, o ranqueamento é variável já que, para o mesmo tema, o Google pode apresentar resultados em uma ordem diferente para usuários distintos. 

 

O algoritmo do Google é constantemente aprimorado para melhorar a experiência dos usuários | Foto: Stephen Phillips/Unsplash
O algoritmo do Google é constantemente aprimorado para melhorar a experiência dos usuários | Foto: Stephen Phillips/Unsplash

 

Principais atualizações do algoritmo do Google 

 

As atualizações do Google acontecem para aprimorar os algoritmos e, consequentemente, melhorar a experiência dos usuários. Algumas delas podem passar despercebidas por aqueles que não acompanham as novidades de perto, já outras são mais importantes e afetam significativamente os resultados de busca. Ou seja, podem interferir no resultado do trabalho de Marketing Digital

 Veja as principais atualizações, a seguir:

 

PANDA (2011) 

Considerada a primeira das grandes atualizações do Google a modificar o mercado, essa operação rebaixou milhares de sites no ranking de relevância devido à presença de conteúdo de baixa qualidade, cópia de conteúdo, excesso de palavras-chave nas landing pages, excesso de publicidade no lugar de conteúdo de valor, entre outras práticas que não apresentavam material relevante e original.

Após essa operação, foi preciso modificar todo o conceito de estratégias de conteúdo, pesquisa de palavras-chave e link building (ou backlinks). No decorrer dos anos, várias atualizações do algoritmo Panda foram feitas, pois era preciso apresentar soluções eficazes aos usuários.

 

PENGUIN (2012)

Enquanto a atualização do algoritmo Panda puniu sites com conteúdo de baixa qualidade, a atualização Penguin aperfeiçoou os resultados de busca, identificando estratégias de link building não legítimas que tentavam enganar o algoritmo. Desde o lançamento dessa atualização, a maioria das estratégias de link building perderam efeito e muitos sites foram punidos com rebaixamento no ranking. Além disso, é possível descobrir se um site foi penalizado pela atualização Penguin através da ferramenta Penalty Checker.

 

HUMMINGBIRD (2013) 

O foco dessa atualização consistia em agilizar e aprimorar os resultados de busca. Após o Humminbird, não era mais preciso que o site apresentasse uma correspondência exata com as palavras-chave da pesquisa. O campo semântico do termo pesquisado passou a ser levado em consideração, fazendo com que a repetição de palavras-chave, chamada de keyword stuffing, perdesse valor.

 

PIGEON (2014) 

Essa atualização de algoritmo ajudou pequenas e médias empresas, pois proporcionou maior destaque para as buscas locais. Isso quer dizer que os resultados são exibidos de acordo com a localização do usuário, favorecendo empresas e serviços que estejam mais próximos do usuário. Além de ser um aliado dos pequenos negócios, é uma resposta ao aumento da demanda de buscas feitas a partir de smartphones, principalmente através das pesquisas de voz.

 

MOBILEGEDDON (2015) 

Com o intuito de aperfeiçoar a experiência de busca em dispositivos móveis, essa atualização favoreceu o ranking de sites “mobile friendly”, sites que apresentavam carregamento veloz e um design responsivo. Mais que tecnologia, essa atualização reflete uma mudança de comportamento dos usuários. Além disso, sites adaptados para dispositivos móveis são impulsionados pelo Google, mesmo que em pesquisas feitas por desktops.

 

RANKBRAIN (2015)

Considerado a evolução do Humminbird, esse algoritmo aprende com as pesquisas feitas pelos usuários e executa conexões entre as buscas. Dessa forma, consegue relacionar informações aparentemente desconexas e se torna bastante útil em pesquisas com palavras-chave específicas e longas. Além disso, com esse recurso é possível encontrar resultados usando termos coloquiais e ambíguos.

 

BERT (2019) 

A mais recente atualização do Google é um sistema de inteligência artificial especializado no processo de linguagem natural. É, portanto, uma tentativa de compreender melhor as intenções de busca dos usuários, já que 15% das buscas realizadas no Google são inéditas e precisam ser reconhecidas, mesmo que nunca tenham sido feitas. Esse algoritmo é capaz de relacionar o significado das palavras e compreender o contexto da busca, sem ficar necessariamente preso às palavras-chave.

 

Essa é a lista das principais atualizações do algoritmo do Google. Como comentamos antes, é essencial conhecê-los para realizar um bom trabalho de Marketing Digital – ainda mais se você trabalha com infoprodutos, como e-books e cursos online

 

Aliás, você sabia que a HeroSpark oferece uma ferramenta que permite a criação de landing pages gratuitas e otimizadas? Experimente! 

 

E confira também este vídeo para saber como criar uma página que gere mais conversões: 

 

 

 

 

Mais artigos para você

Mercado Digital: o que é e como funciona

A transformação digital não é somente realidade, mas uma necessidade. Você sabe o que é mercado digital? Se você ou …

O que é negócio escalável e 3 ideias

Negócio escalável, cada vez mais, prova que não é uma buzzword ou palavra da moda. A alta lucratividade, além de …

O que é oratória e 4 dicas para falar bem no seu curso online

Se você pretende criar cursos online, é necessário saber o que é oratória e como usá-la para desenvolver aulas mais …

O que é NFT: entenda como funciona este registro digital

Você sabe o que é NFT? Ele é um registro digital que transforma o seu bem digital em algo único. …

Bruno Perini: saiba quem é e conheça seus projetos

Curioso, focado, organizado e com um objetivo muito claro e bem definido. Essas características podem definir bem quem é Bruno …

Psicologia das cores no marketing: entenda o significado

O marketing de uma empresa abrange diversos detalhes que devem ser pensados para que ela se destaque em meio às …