Um blog sobre empreendedorismo, negócios digitais e cursos online


Não perca mais nenhuma novidade !

Assine nosso blog e ative as notificações para receber os melhores conteúdos sobre empreendedorismo


Plano de mídia: como criar para seu negócio

Plano de mídia

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

 

Para conquistar o público, as empresas devem estar presentes com qualidade e destacando-se dos concorrentes. Essa situação é diferente de negócios locais, que conseguiam obter sucesso por ser a única opção disponível na região. Por isso, é essencial que a empresa construa o seu plano de mídia.

 

Esse plano serve para manter a empresa relevante para a persona. Dessa forma, o engajamento e a conexão com os potenciais clientes vão aumentar. No entanto, é preciso ter cuidado para criar o plano de mídia adequadamente, de modo que seja realmente útil para o negócio.

 

Para que você aplique em sua empresa, vamos explicar como funciona e como fazer um plano de mídia. Veja, a seguir.

 

O que é o plano de mídia?

 

O plano de mídia é o processo utilizado para determinar a estratégia de compartilhamento de conteúdo e ações promocionais de um negócio. Assim, funciona como um mapa das mídias adequadas para conseguir uma boa conversão.

 

Isso envolve decidir em quais plataformas de anúncios as suas redes estarão presentes, qual será a estratégia utilizada para o tráfego pago, o formato do conteúdo considerando as particularidades de cada canal e as métricas que serão analisadas.

 

Para fazer um bom plano de mídia é preciso conhecer bem a persona, o produto ou serviço e outros pontos. Isso porque cada ação deve ser pensada estrategicamente para que seja realmente eficiente.

 

Qual é a importância do plano de mídia?

O marketing digital abriu as portas para inúmeras possibilidades, o que pode confundir os analistas no momento de planejar. No entanto, o plano de mídia possibilita a utilização inteligente do orçamento e das possibilidades, pois são feitas análises minuciosas de cada canal disponível.

 

O tráfego pago impulsiona as campanhas para que sejam vistas por mais pessoas, mas não basta utilizar esse recurso de qualquer maneira. É preciso ter um planejamento que guie esse impulsionamento de publicações.

 

Por exemplo, apesar do Facebook Ads ser mais acessível e atingir mais pessoas, nem sempre é a melhor opção. Se você quer atingir um determinado nicho profissional, o LinkedIn pode trazer resultados melhores, mesmo sendo mais caro.

 

Como criar um plano de mídia?

 

Defina os seus objetivos

 

Para definir qualquer planejamento, o primeiro passo é saber qual é o seu objetivo. Não basta falar que deseja aumentar o faturamento, é preciso entender os motivos e definir quanto deseja faturar, para poder calcular quanto irá investir em mídia e definir quais KPIs devem ser monitoradas.

 

Se você ainda tem dificuldade nesta fase, veja possíveis objetivos, a seguir. Eles podem ajudar a te inspirar:

  • Faturar R$ 15 mil por 3 meses consecutivos;
  • Conseguir 5 mil leads por mês;
  • Aumentar a conversão em 17% no primeiro trimestre de 2021.

 

Calcule o orçamento disponível

 

Realizar um planejamento exige conhecer o orçamento disponível para executá-lo. Por isso, busque entender como poderá alocar os seus recursos financeiros de maneira que venha a trazer o retorno desejado.

 

É ineficaz simplesmente impulsionar algumas publicações nas plataformas com um valor aleatório. Essa etapa é importante para que o CAC (Custo de Aquisição de Clientes) seja positivo e atrativo ao negócio. Então, saiba o quanto investir em cada opção, sempre levando em consideração a segmentação e a presença do seu potencial cliente.

 

Conheça a persona

Na era digital, a experiência do cliente tem sido prioridade nas estratégias de marketing. Por isso, defina a sua persona para direcionar os esforços, entender onde o seu cliente está e conhecer os seus anseios.

 

Assim, vai ser possível determinar corretamente quais serão as mídias que terão maior engajamento e conversão de clientes. Vamos supor que você investe no Facebook e Instagram, mas o público busca o seu produto pelo Google.

 

Então, neste plano de mídia, você dará preferência ao Google ou talvez seja melhor reformular a sua persona, porque não está mais sendo condizente com a realidade. Faça sempre a análise do que vai ser melhor para a sua realidade.

 

Faça uma análise dos concorrentes

O seu posicionamento não precisa — nem deve — ser igual ao dos concorrentes. Porém, é importante conhecê-los e pesquisar quais são as ações que eles estão adotando. Isso te ajudará a se diferenciar e se destacar no mercado.

 

Em um espaço, liste ao menos 5 concorrentes. Se não conseguir pensar em 5 concorrentes diretos, podem ser indiretos. Depois, liste em quais mídias cada um deles atua e como são os anúncios que fazem.

 

Para isso, recomendamos o uso do Facebook Ads Library. Com a plataforma, é possível ver os anúncios ativos no Facebook do seu concorrente, o que também inclui os anúncios do Instagram.

 

Pelo Facebook Ads Library, você consegue filtrar os anúncios por impressões. Assim, você consegue saber quais são os anúncios de outras empresas que estão tendo uma performance melhor e inspirar-se neles.

 

Monte a Brand Persona

 

Não pense que a Brand Persona deve ser criada somente em grandes negócios. Desde o início, é preciso montar a representação do negócio, pois ele deve ter características, tom de voz e personalidade próprias, ainda que sejam parecidas com as características do empreendedor.

 

Alguns exemplos de empresas que utilizam bem este conceito é a Magazine Luiza, a Netflix e o Nubank. Isso faz com que o cliente sinta-se íntimo da marca e aumente a conexão, lembrando sempre dela quando precisar realizar alguma compra.

 

Além disso, a Brand Persona mantém o discurso da marca coerente, pois independentemente de quem esteja configurando a campanha, vai aplicar ali a essência da marca. Assim, sempre terá uma padronização no tom de voz.

 

Escolha as mídias

 

Depois de entender todos os fatores que citamos acima, como onde o cliente está, quais são as estratégias do concorrente e qual é o orçamento que você tem disponível, é o momento de escolher em quais mídias você irá investir.

 

Nesta fase você já deve ter uma noção de onde faz mais sentido investir e pode, inclusive, fazer a combinação de mais de uma mídia. Porém, tenha atenção para conseguir ter qualidade em todas e investir uma porcentagem adequada do orçamento.

 

Não é uma decisão tão difícil, mas é provável que, após colocar em prática, você perceba que pode modificar a porcentagem de alocação de recursos. Isso porque algumas mídias vão trazer mais leads que outras.

 

Construa e siga um calendário

 

Querer trabalhar sem um calendário é o caminho para a desorganização e o esquecimento. Por isso, construa a programação para cada mídia que vai ser utilizada, defina data de início e fim de cada campanha e o período de realização de testes A/B. Indicamos realizar a programação de acordo com o prazo das suas campanhas.

 

Ter essa organização vai permitir que, futuramente, você saiba quais foram os assuntos que mais foram abordados e os que deram melhores resultados. Isso evita a duplicação de conteúdo e a utilização de assuntos incoerentes.

 

Garanta que todos os envolvidos na execução do plano de mídia saibam os prazos, o formato de trabalho e tenham acesso ao calendário. Para isso, indicamos que faça uma reunião inicial, para apresentar o projeto, objetivo, persona e tudo o que foi definido nas etapas anteriores.

 

Além disso, é importante fazer o uso de ferramentas como o Trello e o Google Drive, pois eles ajudarão no fluxo de trabalho e facilitarão na execução correta das etapas. Porém, escolha somente aquelas que serão necessárias, lembre-se de que muitas ferramentas podem acabar atrapalhando.

 

Acompanhe as métricas

 

Existem algumas métricas para avaliar como está o desempenho da campanha veiculada. Isso permite que você reformule a campanha para eliminar os pontos fracos e potencializar o que deu certo. Veja algumas métricas importantes:

 

  • Alcance — É o número de pessoas impactadas pelo canal utilizado. Quanto maior for o alcance, melhor;
  • Custo por Mil — Indica o valor que você terá que investir para alcançar mil pessoas;
  • CTR — Mede quantas pessoas clicaram no seu anúncio;
  • Taxa de conversão — Consiste na quantidade de pessoas que realizam alguma ação solicitada pela campanha.

 

Conclusão 

 

O plano de mídia ajudará a identificar as melhores estratégias para o negócio, principalmente, após a fase de acompanhamento das métricas. Pense em cada fase com cuidado e analisando todos os fatores, para que os resultados sejam satisfatórios.

 

Para continuar aprendendo mais sobre o universo da mídia paga, veja este vídeo:

 

Mais artigos para você

O que é segmentação de mercado e quais são os tipos

Uma das maneiras de aproveitar melhor os esforços em um negócio é fazer uma segmentação de mercado. A concorrência é …

Como fazer vídeos animados

Você sabe como fazer vídeos animados ou nunca tentou? Apesar de ser um trabalho minucioso, não é tão difícil quanto …

4 livros de mulheres empreendedoras que vão te inspirar

Os desafios no universo do empreendedorismo são grandes. Muitas pessoas, acadêmicas ou mais experientes no mercado, publicam ótimos livros sobre …

SPAM: Confira 15 termos e palavras para evitar cair no lixo eletrônico

O e-mail marketing é bastante utilizado para manter a comunicação com os clientes. Além de ser eficiente e dinâmico, quando …

Como migrar para as vendas digitais? Confira 5 dicas!

Com o advento das mídias sociais, o número de pessoas que apostam no empreendedorismo digital só cresce. No entanto, existem …

Como ganhar dinheiro com TikTok

Principalmente após o “boom” dos influenciadores digitais no Instagram, tornou-se comum trabalhar com as redes sociais. No entanto, muitas pessoas …