O que é SEO e como alcançar o topo do Google?

Entenda o que é SEO e aprenda a fazer a otimização de sites | Foto: Freepik
Entenda o que é SEO e aprenda a fazer a otimização de sites | Foto: Freepik

Muita gente não sabe o que é SEO e nem o poder que essa técnica tem para melhorar o engajamento de uma plataforma de conteúdo online. 

No entanto, saiba que investir na otimização para motores de busca é muito importante para a sua marca, sendo parte fundamental das estratégias de marketing digital.

Atualmente, existem vários mecanismos de busca, como Bing, Yahoo, Qwant e Yandex, mas, sem dúvida, o Google é o site de busca mais procurado. No mundo, ele é o preferido de 91,9% dos usuários de internet

Nesse sentido, se você tem um negócio digital, aparecer entre os primeiros resultados, sobretudo no Google, é um grande passo para mais pessoas clicarem na sua página e você ganhar visibilidade. 

Portanto, descubra o que é SEO e como alcançar o topo do Google neste artigo. Boa leitura!

Afinal, o que é SEO? 

A sigla SEO, em inglês, significa Search Engine Optimization e, em português, Otimização para Mecanismos de Busca. Nesse sentido, o SEO consiste em um conjunto de técnicas implementadas com a finalidade de alavancar o tráfego orgânico de uma página. 

É válido destacar que esse conjunto de técnicas ajuda na otimização de sites, para que ele apareça melhor posicionado nos mecanismos de busca. Para isso, utiliza-se algumas estratégias de ranqueamento.

Para entender o que é SEO, você precisa ter em mente que não se trata de uma ação isolada ou de uma série de táticas que se usa uma única vez.

Na realidade, a otimização para motores de busca é um trabalho contínuo, que tem sua origem no conhecimento profundo das formas de atuação dos buscadores. Ou melhor, dos algoritmos.

Em resumo, podemos dizer que SEO é uma forma de aparecer melhor nas buscas, atrair visitantes para seu site e, caso você tenha um conteúdo de qualidade e um bom produto e/ou serviço, atrair leads e consequentemente, vendas. 

 

O que são motores de busca e algoritmos? 

Para definir o que é SEO precisamos, antes, deixar claro conceitos que estão ligados ao Search Engine Optimization, como os motores de busca e os algoritmos. 

Os motores de busca (search engines) são sistemas formados por uma série de algoritmos que rastreiam, indexam e ranqueiam os conteúdos da web para exibi-los ordenadamente nas pesquisas dos usuários, sendo baseado em alguns critérios.

Dessa forma, otimizar sites significa adequá-los aos critérios do SEO para que, assim, os motores de busca coloquem a página do seu negócio digital no topo durante as pesquisas.

Para garantir que os usuários voltem a utilizar seus serviços, os mecanismos de busca investem em inteligência artificial. Com isso, o usuário pode encontrar rapidamente o melhor conteúdo. 

Portanto, a satisfação do usuário é o principal objetivo dos mecanismos de buscas, e deve ser a sua também, caso você tenha uma página.

 

Como os motores de busca funcionam? 

Para saber como conseguir a otimização para motores de busca, é preciso entender como eles funcionam. Nesse sentido, há basicamente três etapas:

  1. Rastreamento: os robôs ou spiders dos buscadores rastreiam os conteúdos da web por meio de caminhos apontados pelos links, procurando novas páginas e atualizações. 
  2. Indexação: as páginas encontradas são indexadas. Isto é, são colocadas no índice do buscador, uma espécie de bibliotecas de conteúdo, onde são organizadas de acordo com os critérios e informações coletadas, como o tempo de carregamento e as palavras-chave. Essa etapa ocorre ao mesmo tempo que a de rastreamento.
  3. Rankeamento: acontece quando o usuário faz uma pesquisa. É nessa etapa que devemos nos concentrar quando visamos a otimização para motores de busca.

No caso do Google, os algoritmos (web crawlers) rastreiam constantemente a internet por informação de qualidade. As páginas rastreadas pelo Google (são bilhões no mundo) entram para um grande banco de dados (indexação).

O buscador usa certos critérios para incluir as páginas no chamado Índice da Pesquisa. Entre os critérios estão idade do conteúdo, tempo de carregamento e os textos. Mais à frente, vamos dar detalhes sobre o rankeamento. 

Em tempo, os computadores do maior buscador do mundo estão sob constante atualização e são revistos e adaptados com frequência. Cada versão surge otimizada para fazer com que os resultados sejam aqueles com as respostas mais úteis.

Isso quer dizer que o Google tem se dedicado bastante a entender as intenções de busca de um usuário. Ele quer entender, cada vez com mais precisão, o que a pessoa quer saber ao digitar um determinado termo no campo de busca.

 

Fatores de rankeamento 

Depois de entender o que é SEO, chegou a hora de compreender os seus critérios de rankeamento. O Google não revela oficialmente os fatores de ranqueamento para Search Engine Optimization, mas estima-se que sejam mais de 200.

Lembrando que todos têm o mesmo objetivo: estabelecer se a página é informativa e se o seu conteúdo é relevante para atender às necessidades de informação do usuário. 

Os critérios de otimização de sites estão divididos em duas principais categorias: 

  • SEO on page: os critérios estão sob seu controle e diretamente ligados à construção da sua página.
  • SEO off page: os critérios dependem de outros sites, redes sociais ou blogs. 

Vamos conhecer melhor cada uma dessas categorias!

SEO on page 

Design, usabilidade, responsividade (site adaptável a dispositivos móveis) são alguns dos fatores que estão sob seu controle e contribuem para que seu site seja visto como relevante no rankeamento do Google.

É claro que tudo isso é importante. Mas um dos fatores que mais influenciam em um bom posicionamento é o que, de fato, responde às perguntas dos usuários: o conteúdo

Um bom conteúdo contém certas características. Vamos a elas: 

Tamanho 

Não precisa necessariamente ser um texto longo, mas precisa ser um conteúdo completo, que esgote ou se aproxime de sanar um determinado assunto com apenas uma busca. 

Embora os textos maiores e completos sejam mais capazes de responder às dúvidas dos usuários, o melhor tamanho é aquele que consegue englobar todas as questões, deixando os leitores sem perguntas pendentes.

Apesar de influenciar geralmente no conteúdo, o tamanho não é um fator direto de ranqueamento do algoritmo. Mas, nem por isso, o deixe de fora das suas estratégias de otimização para motores de busca. 

Volume de postagem 

O volume das postagens favorece a otimização de sites. O raciocínio aqui é simples: quanto mais conteúdos você conseguir publicar, maiores serão as chances de rankear bem a sua página. 

No entanto, tome cuidado para não ficar preocupado apenas com a quantidade de posts e acabar esquecendo da qualidade e relevância dos conteúdos. Além disso, é preciso também ter uma frequência de publicações.

Não há um volume nem frequência de postagem ideal. Você precisa identificar o que o seu tema e a sua persona demandam, além de avaliar a capacidade de produção de conteúdos do seu negócio. 

Densidade 

A densidade está ligada ao tamanho do texto. Segundo o SEO, o conteúdo deve conter informação de qualidade e relevante, bem embasada e que de fato agregue ao leitor. 

A estratégia de fazer textos longos que sejam muito repetitivos e pouco esclarecedores é mal vista pelo algoritmo de otimização para motores de busca.

Palavras-chave 

É basicamente o que o usuário utilizou para buscar um conteúdo. 

Usá-la de maneira estratégica no texto e no título da landing page são boas táticas de estar melhor rankeado. Além disso, sinônimos e palavras do mesmo campo semântico (significados similares) também são estratégias positivas.

Há dois tipos de palavras-chave usadas na otimização de sites:

  • Head tail
  • Long tail.

Esses termos fazem referência a uma cauda e correspondem a diferentes etapas da jornada do cliente.

O pensamento é o seguinte: quanto mais na ponta da cauda a palavra-chave estiver, mais específica e, consequentemente, mais próximo da decisão de compra o usuário estará. 

Para um bom Search Engine Optimization, é importante trabalhar com ambos.

Head tail 

As palavras-chave de head tail são abrangentes e genéricas. Costumam ser usadas no início da jornada de compra, quando o consumidor não sabe o que precisa. 

Por isso, ele começa com esse tipo de busca e depois acaba tornando a pesquisa mais específica. Geralmente, elas possuem uma ou duas palavras.

Os termos head tail costumam ter um volume de buscas alto, o que tende a gerar bastante tráfego. Mas, ao mesmo tempo, também atraem um público muito amplo, com poucas chances de conversão. 

Outra desvantagem é que costumam ter uma uma concorrência grande pelas primeiras posições, o que torna mais difícil conquistar um bom rankeamento.

Alguns exemplos de head tails são:

  • Marketing Digital;
  • SEO;
  • Infoprodutos.
Long tail  

As palavras-chave long tail, que também são chamadas de cauda longa, são bem mais específicas e costumam ser usadas no final da jornada do cliente. 

Nesse momento, o consumidor já pesquisou de modo muito mais profundo o que precisa para resolver sua necessidade. Por isso, ele já conhece melhor as soluções, porém, está buscando ainda mais informações para tomar a sua decisão final.

Exemplos de long tails são:

  • Plataformas gratuitas para infoprodutos;
  • Como funciona o Marketing Digital?;
  • Como ranquear na primeira página do Google com o SEO?.

Essas palavras não têm como principal objetivo gerar tanto tráfego, pois tem um menor volume de busca. Diferentemente do head tail. 

No entanto, atraem pessoas que estão mais inclinadas a realizar a compra e, por esse motivo, a long hail tende a gerar mais conversões

Além disso, usando palavras desse tipo, a otimização para motores de busca é mais fácil de ser conquistada.

 

Atualização 

Quanto mais tempo no ar, mais autoridade a sua página gera. Essa lógica segue o conceito de que quanto mais tempo você executa uma atividade, mais você sabe sobre ela. 

Mas essa ideia só se concretiza se você está em constante atualização. Logo, o ideal é manter seu site e blog sempre atualizado. 

Para isso, procure manter uma frequência de publicações e otimizações. Assim, o Google entende que o site está ativo. 

 

Boa experiência do leitor 

Os textos publicados devem favorecer a experiência do leitor. Logo, a escaneabilidade e a semântica dos textos também são critérios importantes para conquistar um bom Search Engine Optimization, assim como a qualidade e relevância das publicações.

A escaneabilidade é a capacidade que um texto tem de proporcionar uma leitura dinâmica. Para isso, é preciso que tenha recursos como:

  • Intertítulos;
  • Listas;
  • Negritos;
  • Imagens. 

Se o texto não fizer uso disso, provavelmente ninguém terá vontade de ler. Esses recursos melhoram a experiência de leitura, engajam o usuário e transmitem informações ao Google. 

Com relação à semântica, saiba que as palavras-chaves são importantes, mas você não deve repeti-las excessivamente. 

Portanto, você precisa explorar o campo semântico que envolve um termo, aproveitando  as suas variações, sinônimos e relações com outras palavras. Desse modo, a leitura fica mais agradável, facilitando também a compreensão do Google sobre o tema da página. 

Nesse sentido, o título, as headings tags, a URL e o primeiro parágrafo, por exemplo, são locais para onde os olhos do robô miram primeiramente. Por isso, elas devem aparecer nesses locais.

 

Meta-descrição 

A meta-descrição (meta description) é a descrição do conteúdo da página. Ela fica visível nos resultados da busca, dentro do snippet, que também inclui o título e a URL da página. Por isso, ela também funciona como um atrativo para a pessoa clicar no link.

Para que a meta description ajude na otimização de sites, é um pré-requisito que ela seja persuasiva e descritiva. Entretanto, ela não é um fator de rankeamento direto. 

Sendo assim, o Google não considera essa descrição para a classificação, o que não significa, de forma alguma, que esse não seja um recurso importante do SEO.

Além disso, saiba que é importante que as palavras-chave sejam usadas na meta-descrição, uma vez que os termos que coincidem com os buscados pelos usuários ficam em negrito.

 

Imagens para SEO 

Como o Google não entende por completo o que uma imagem quer dizer, é necessário que você dê um auxílio a ele. Assim, para adequar as fotos ao Search Engine Optimization, é preciso fornecer dados em forma de texto sobre as imagens, como:

  • Texto alternativo (tag alt);
  • Nome do arquivo;
  • Legenda da imagem; 
  • URL da imagem; 
  • Contexto.

 

Imagem de oferta Mentoria Impulso Digital.

Linkagem interna 

A otimização para motores de busca também passa pela rede de links internos do seu site. 

A função da linkagem interna é guiar e direcionar a navegação do usuários para outros conteúdos relevantes a ele ou que possam despertar o seu interesse.

Além disso, a rede de links internos faz com que os algoritmos encontrem os seus conteúdos mais facilmente e também os ajuda a entender melhor o site, uma vez que a linkagem mostra uma hierarquia entre as páginas.

Por exemplo: quanto mais perto da home estiver e mais links internos receber, mais importante é a página. 

 

SEO off page 

Dentro desta categoria, encontram-se os fatores que não dependem diretamente de você. 

Ser citado em outros sites e ter seu conteúdo incluído em forma de links em outras páginas, por exemplo, é encarado pelo Google como uma demonstração de autoridade. 

Para o buscador, se as pessoas estão indicando seu conteúdo, isso significa que ele é bom. São os chamados backlinks. Eles são importantes para seu rankeamento porque influenciam em como o algoritmo entende sua página. 

Quanto mais backlinks de qualidade (sites com autoridade) apontam para seu site, mais relevante ele é e mais facilmente você aparecerá no topo da página de resultados.

Existe, inclusive, um algoritmo específico para classificar a influência do seu site: o PageRank. Podendo variar de 0 a 10, ele monitora os links externos para sua página de acordo com a qualidade e quantidade dos sites que o mencionam. 

Para entender melhor sobre o SEO off-page, confira alguns aspectos importantes dessa categoria. 

 

Link Building 

O link building é a construção de uma rede de links que direciona o leitor para as suas páginas, de modo a fortalecer a sua autoridade na web. 

Para o algoritmo, quanto maior a quantidade de backlinks de qualidade que a sua página recebe, maior é a sua relevância dentro do mercado. 

Assim como no caso do conteúdo, a quantidade e a qualidade devem andar juntas quando falamos de link building. Afinal, backlinks de um único domínio, de sites duvidosos ou posicionados fora de contexto não ajudam em nada o Search Engine Optimization.

Mas, afinal, o que são backlinks de qualidade? São aqueles relacionados a sites confiáveis e que têm referências no mercado. 

O seu backlink deve vir:

  • De sites com autoridade de domínio;
  • De páginas que têm a confiança do Google; 
  • De vários domínios diferentes, inseridos naturalmente no contexto da página.

Além disso, os backlinks devem ser utilizados em um texto âncora coerente e estar em uma posição nobre da página, como no início.

 

Links nofollow e dofollow 

Uma característica dos backlinks é a diferença entre links dofollow e nofollow:

  • Dofollow: o robô deve seguir o caminho que o link indica e passar a autoridade de uma página à outra.
  • Nofollow: impedem que o robô siga aquele caminho e atribua autoridade à página linkada.

Nós usamos nofollow, principalmente, em caixas de comentários de blog e links de redes sociais, que muitas vezes são usados para fazer spam e construir uma autoridade artificial. 

Porém, os links nofollow não são dispensáveis no SEO off page, pois geram tráfego e levam pessoas a conhecer a sua marca, mesmo que eles não transmitam autoridade diretamente.

 

Guest posts 

Os guest posts são uma estratégia de publicação de posts como convidado em um blog parceiro. Ele funciona da mesma forma que uma parceria. 

Você produz conteúdo para o público do blog e, em troca, pode inserir um ou mais links que levam o leitor ao seu site. Se o link for dofollow, por meio de guest posts você consegue atrair novos visitantes e ganhar autoridade. 

Mas, não exagere! Caso o Google perceba um excesso de links em um tempo curto, você pode ser entendido pelos algoritmos de otimização como um black hat e, então, ser punido.

 

SEO Técnico 

O Search Engine Optimization inclui alguns aspectos técnicos, relacionados diretamente à estrutura do site. Essas adequações, que são parte do SEO on page, fazem muita diferença na hora da otimização de sites. 

Nesse sentido, saiba que a arquitetura da página tem o objetivo de torná-la mais rápida, compreensível, rastreável e indexável.

 

Sitemap 

O sitemap é um documento de texto que apresenta a relação e as informações de todas as páginas de um site. Ou seja, ele funciona como um mapa para os mecanismos de buscas. 

Esse documento pode ser criado em planilhas do Excel, caso você conheça bem o seu site, ou por meio de um gerador de sitemaps

Algumas das informações que você encontra no sitemap são a data da última modificação e a frequência de atualizações, por exemplo. Ao apresentar essas funções mais facilmente, você permite que os mecanismos de busca o localizem e o indexem melhor. 

 

Velocidade de carregamento 

A velocidade de carregamento é um dos principais critérios para o Search Engine Optimization. Em 2010, para as buscas em desktop e, em 2018, para as buscas mobile, o Google afirmou que a velocidade é um fator utilizado para rankeamento.

Sem a velocidade de carregamento, você com certeza não ganhará o topo. Lembre-se que ela não faz o seu site ganhar posições, mas, se a página for lenta, definitivamente você perderá posições. 

Isso porque o Google acredita que a rapidez e agilidade da informação interfere diretamente na experiência do usuário.

Há uma uma ferramenta gratuita de testes do Google, o PageSpeed Insights, que oferece relatórios e traz um diagnóstico sobre a velocidade. Além disso, o mecanismo oferece dicas para melhorar o carregamento, como a otimização de imagens e de códigos do site.

 

Responsividade 

A responsividade está ligada à criação de um site que é adequado também para dispositivos mobile. Essa técnica permite que uma página consiga se adaptar melhor às formas e aos tamanhos distintos de telas. 

O uso crescente de celulares faz da responsividade algo fundamental. Por isso, entender o que é SEO também passa por essas características mais técnicas que estão conectadas a um melhor rankeamento. 

Assim, para conquistar a otimização de sites, invista no design, na URL mobile, versão para dispositivos móveis e no Dynamic Serving, em que as duas versões têm a mesma URL, porém apresentam CSS e HTML diferentes para cada dispositivo.

 

Auditorias de SEO 

Para saber se o site está de acordo com os critérios de Search Engine Optimization, realize auditorias, em especial quando estiver no início do processo de otimização para motores de busca.  

Uma auditoria de SEO pode identificar:

  • Problemas de carregamento e usabilidade;
  • Links quebrados;
  • Erros de rastreamento;
  • Erros de redirecionamento;
  • Conteúdo duplicado; 
  • Páginas bloqueadas e com carregamento lento.

Há ferramentas que realizam a auditoria do Search Engine Optimization, como a Screaming Frog, que fornece relatórios completos sobre cada item. 

Mas você também pode combinar outros mecanismos. Por exemplo, o SEMrush com o Google Search Console

 

Black Hat X White Hat 

A otimização de sites não é simples. Como dito anteriormente, os algoritmos trabalham continuamente para melhorar a experiência dos usuários. 

Então, eles também combatem conteúdos duvidosos e de baixa qualidade, os chamados “black hat”, que acabam sendo deixados de lado no rankeamento.

Anteriormente, quando o Search Engine Optimization ainda estava se desenvolvendo, era fácil burlar as brechas. Mas, agora, a otimização para motores de busca está melhor estruturada pelos algoritmos.

Assim, algumas práticas de Black Hat são:

  • Doorway pages: páginas otimizadas apenas para redirecionar para outras maliciosas.
  • Cloaking: mostrar conteúdos diferentes para visitantes e robôs;
  • Link farms: criação de um grande número de páginas que contêm apenas backlinks para apenas uma página a fim de manipular os motores de busca;
  • Keyword stuffing: páginas com repetição excessiva de palavras-chave;
  • Textos e links ocultos para usuários, mas não para robôs e spam;
  • Comentários em blog apenas para ganhar backlinks

Já o white hat é o SEO feito de acordo com as diretrizes de otimização para monitores do Google e outras plataformas de busca. Somente assim, você ganhará a confiança do buscador. 

 

Como começar uma estratégia SEO?

1. Defina os objetivos 

Você precisa saber quais objetivos quer alcançar com a otimização para motores de busca. Obviamente, o objetivo escolhido deve estar alinhado com as metas da sua marca. 

Dentre outros aspectos, o SEO pode proporcionar:

 

2. Construa a sua persona 

A persona consiste em para quem as estratégias de SEO se destinam, o público-alvo que deseja atrair e com quem você quer se comunicar. A sua definição ajudará, principalmente, a especificar as palavras-chave, que são fundamentais para o Search Engine Optimization. 

Pense na persona como um personagem semifictício, que representa um cliente ideal do seu negócio. Essa pessoa deve ter dúvidas, dores e necessidades reais que você precisa resolver. 

Contudo, a persona não é construída do nada, mas a partir de dados reais do cliente. Por isso, é importante realizar pesquisas, questionários, entrevistas e considerar o funil de vendas.

 

3. Utilize ferramentas básicas de SEO 

Para começar a otimização de sites é preciso, no mínimo, saber usar algumas ferramentas básicas e iniciais do Search Engine Optimization. 

Elas darão um diagnóstico da situação atual para guiá-lo nas primeiras otimizações e começar a acompanhar os impactos de cada ação.

Os mecanismos essenciais são as ferramentas gratuitas do Google: o Google Analytics e o Google Search Console.

 

Google Analytics 

O Google Analytics é uma ferramenta de análise de dados que oferece uma infinidade de recursos. 

No SEO, ela auxilia, principalmente, a conhecer melhor seu público para: 

  • Construir a persona;
  • Identificar quais são as páginas com melhor desempenho;
  • Monitorar os números de tráfego orgânico, 
  • Identificar os canais que mais geram tráfego (e-mail, social, orgânico);
  • Entender o engajamento;
  • Monitorar as conversões geradas pela estratégia de SEO.

 

Google Search Console 

Já o Google Search Console é uma ferramenta que serve para facilitar a comunicação entre sites e o Google. Ela proporciona diversos relatórios valiosos para a otimização de sites. 

Envolve algo mais técnico, voltado para pessoas com mais experiência na área, mas a sua interface não é  tão complicada de ser usada. 

Qualquer pessoa é capaz de usá-la para fazer diagnósticos e direcionar demandas mais complexas para profissionais especializados.

Essa ferramenta ajudará você a descobrir:

  • Problemas de indexação no site, se foi hackeado ou penalizado pelo Google;
  • Posição média das suas páginas na SERP;
  • A taxa de cliques das suas páginas na SERP;
  • Quais palavras-chave ativaram o seu site na SERP;
  • Quais sites direcionam backlinks para as suas páginas.

Além disso, existe a possibilidade de solicitar ao Google a rejeição de backlinks duvidosos para o seu site.

Como vimos, saber o que é SEO é essencial para a estratégia de marketing digital do seu negócio. E se você quiser aprender mais sobre outras estratégias, faça o download gratuito do nosso kit de Marketing Digital e continue estudando!

Banner escola de psicanálise
5 comments
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.