Um blog sobre empreendedorismo, negócios digitais e cursos online


Não perca mais nenhuma novidade !

Assine nosso blog e ative as notificações para receber os melhores conteúdos sobre empreendedorismo


Como criar um infoproduto do zero em 7 passos

infoproduto

Um infoproduto nada mais é que um conteúdo em formato digital, normalmente criado para levar informação e conhecimento, visando solucionar algum problema de quem o consome.

 

O mercado digital já era um dos setores que mais cresce no Brasil e no mundo – e hoje, isso é mais válido do que nunca.

 

Criar o seu próprio infoproduto é uma excelente alternativa tanto para quem ainda não empreende – e deseja fazer se seus produtos digitais sua renda extra ou sua renda principal – como os empreendedores de negócios físicos, que podem utilizar as vantagens dos infoprodutos para escalar o seu negócio com baixo investimento.

 

Neste artigo, vamos ver:

 

  • O que é um infoproduto;
  • Quanto custa para fazer um infoproduto;
  • Como vender infoprodutos;
  • 7 passos práticos para criar o seu próprio infoproduto;
  • 2 “hacks” para você impulsionar ainda mais seus resultados.

 

O que é um infoproduto

 

Como expliquei no início deste post, infoprodutos são produtos digitais, criados com o objetivo de auxiliar e “facilitar a vida” de quem os consome.

 

Pensando em exemplos: quando adquirirmos um curso online, um e-book ou um programa de consultorias digitais, normalmente estamos em busca de conhecimento como solução para algum problema que temos, certo?

 

Este é o papel principal dos infoprodutos, assim como seus similares físicos (livros físicos, cursos presenciais, etc).

 

A diferença do infoproduto para os produtos físicos está, justamente, nas suas vantagens: 

 

  • Investimento único para a criação do infoproduto, e normalmente muito abaixo que um produto físico;
  • É relativamente mais fácil para os consumidores encontrarem o seu produto por meios digitais;
  • Possibilidade de venda com a ajuda de afiliados;
  • Possibilidade de venda em escala (você cria um único produto e com ele consegue ter resultados constantes);
  • Diferentes tipos de produtos e meios de consumo, podendo adequar como for melhor para a sua persona.

Quanto custa fazer um infoproduto?

 

Essa é uma pergunta comum para quem está pensando em criar o seu próprio infoproduto.

 

É uma pergunta importante e super normal, afinal, como qualquer empreendimento, precisamos nos planejar financeiramente.

 

O valor para criar um infoproduto pode variar bastante, conforme o tipo de produto que você deseja criar, os materiais inclusos (videoaulas, PDFs, aulas ao vivo), as ferramentas que irá utilizar e a qualidade da produção.

 

A boa notícia é: independente de suas escolhas, criar um infoproduto quase sempre é muito mais barato do que criar o mesmo produto para funcionar fisicamente.

 

Para quem está começando, é possível criar inclusive à custo zero. Lá no instagram do Meu Produto na Web, eu deixei uma lista de ferramentas gratuitas e dicas para você criar o seu próprio produto digital sem investir nada.

 

Mas atenção: independente se você vai criar a custo zero ou investir em ferramentas e qualidade superior, é importante você seguir o passo a passo deste artigo para criar o produto certo, para as pessoas certas, beleza?

 

Como faço pra vender Infoprodutos?

 

Bem, de nada adianta você ter um produto excelente, se não tiver uma boa estratégia de vendas.

 

Da mesma forma, de nada adianta ter uma estratégia de vendas incrível, se você está ofertando o produto errado, para as pessoas erradas, e não está retendo cliente nenhum.

 

Uma coisa está diretamente ligada a outra e só quando você ajusta esses dois fatores você tem um infoproduto de real sucesso.

 

Para vender infoprodutos, você vai precisar criar uma oferta irresistível e uma “máquina de vendas”, que pode incluir site, email marketing, redes sociais, afiliados e o que mais você achar pertinente para seu público e produto.

 

Vamos ver isso mais a fundo daqui a pouquinho.

 

Agora que você já entendeu o que é um infoproduto e o que você precisa para criar o seu, pronto para colocar a mão na massa? 

 

7 passos práticos para criar um infoproduto do zero com qualidade e que venda todos os dias

 

Depois de mais de cinco anos transformando o conhecimento e o negócio físico das pessoas em infoprodutos (e faturando de 5 a 6 dígitos em seus lançamentos), eu resumi todo o meu processo de produção em 7 passos práticos. 

 

Esses passos me impediram de perder muito tempo, energia e dinheiro na estratégia errada, salvando a mim e a meus clientes de muitas frustrações futuras.

 

É o passo a passo que eu uso na consultoria do Meu Produto na Web e a maneira mais simples que sempre funcionou para mim:

1 – Quem é seu público e o que ele procura

 

Primeiro grande erro da maioria dos infoprodutores: criar um produto baseado no que você acha que as pessoas querem comprar.

 

Eu já vi empresas grandes perderem muito dinheiro por criar um produto inteiro só baseado no “feeling”, sem pensar nesse passo primordial.

 

Antes de sequer pensar no produto, pense o seguinte:

 

  1. A) Qual é o “nicho” do seu infoproduto – isto é, sua temática principal?
  2. B) Qual é o público que você quer atingir?
  3. C) Quais são as principais dificuldades, necessidades e desejos deste público?

 

Para ficar ainda mais fácil, faça uma lista de todas as dificuldades, problemas e necessidades de cada possível público que você listar, do óbvio ao mais elaborado.

 

Exemplo:

 

Nicho: Exercício Físico

Público: Mães sedentárias

Dores:

 

  • Se sente insatisfeita com seu corpo;
  • Não tem tempo para malhar;
  • Não tem onde deixar os filhos na academia;
  • Não consegue distribuir o tempo entre cuidar dos filhos e cuidar de si mesma.

 

Entendeu o exercício? Então mão na massa e vamos para o próximo passo.

2 – Como seu infoproduto pode ser “a ponte”

 

”Que ponte é essa?! Eu falo de culinária, Vanessa, nada a ver com ponte!”

 

Calma que já vai fazer sentido.

 

Imagine um cenário onde existe um ponto A, um ponto B, e uma ponte entre esses dois pontos.

 

O ponto “A” é onde o seu cliente está agora, com o problema que ele tem hoje. Pegando o exemplo do exercício anterior: uma mãe sedentária, sem tempo, desmotivada e insatisfeita com seu corpo.

 

O ponto “B”, é onde o seu cliente quer chegar,  com o problema resolvido. Ainda no exemplo anterior, seria uma mãe feliz com seu corpo, se exercitando todos os dias, motivada, com boa administração de seu tempo.

 

A ponte entre o cenário “A” e o cenário “B” deve ser o seu infoproduto. 

 

Como você irá criar um infoproduto que irá sanar a “dor”, o problema principal do seu cliente? Esta é a grande chave para criação de infoprodutos de qualidade.

 

3 – Como será essa ponte, ou seja, a solução? 

 

Existem dois principais jeitos para você criar o seu infoproduto: ter um produto próprio, exclusivamente seu, ou fazer uma co-produção.

 

Se você consegue criar a “ponte” (ou seja, prover a solução que o seu cliente precisa) com o seu expertise, criar um produto exclusivamente seu pode ser uma boa alternativa, uma vez que o lucro obtido com ele será inteiramente seu.

 

No entanto, quando você estiver fazendo o exercício do passo anterior, pode ser que você identifique que nem todas as dores do seu cliente podem ser sanadas apenas com o seu conhecimento.

 

A solução aqui pode ser fazer uma co-produção, ou seja, convidar especialistas de outras áreas para enriquecer o seu produto e oferecer a melhor solução possível para o seu cliente.

 

Pode ser um produto inteiro co-produzido, um único módulo especial, você quem manda! 

 

Da mesma forma que o retorno para este co-produtor, que pode ser através de um pagamento único (vocês combinam um valor pela participação dele), ou um percentual em cima de cada venda.

 

No Meu Produto na Web, por exemplo, eu identifiquei que além de auxílio para criar os seus próprios infoprodutos, alguns empreendedores têm muito medo de se posicionar e sofrem com a Síndrome do Impostor (ou seja, não se sentem bons o suficiente para ensinar alguma coisa para alguém).

 

Dessa forma, parte da consultoria pode ser feita com o auxílio de coaches e especialistas em saúde mental.

4 – Defina o nome do seu produto

 

Agora que você já definiu exatamente como será o seu produto e como ele irá ajudar o seu público, chegou a hora de dar um nome a ele.

 

Os nomes de uma marca ou infoproduto podem ser divididos em algumas categorias:

 

Descritivo: é o mais comum entre os infoprodutos, pois diz exatamente qual é a promessa do seu produto. Por exemplo: Programa de Exercícios para Mães.

 

Sugestivos: também é interessante pois emprega certa originalidade, mas ainda sugere qual é a promessa do produto. Por exemplo: Mamãe Em Forma em Casa.

 

Arbitrários: este último é mais indicado para quando o infoprodutor já tem uma certa autoridade e poderá empregá-la ao produto. Não precisa ficar claro no nome qual a promessa do produto, e poderá gerar curiosidade em seus clientes. Por exemplo: Programa MFC.

 

5 – Qual formato você vai entregar a solução

 

Existem diversos tipos de infoprodutos: cursos online, e-books, programas, mentorias, assinaturas, etc.

 

Uma vez que você já sabe o que é o seu produto, qual é a solução que ele oferece e qual público ele atinge, fica mais claro definir qual será o formato do seu produto.

 

Para este passo, leve em consideração também:

 

  1. A) O que será preciso para produzir o infoproduto no formato escolhido. Se você escolheu um curso online, por exemplo, deverá pensar em como irá gravar, editar, produzi-lo no geral.
  2. B) Qual é o melhor formato para aquela solução, específica. Trata-se de um produto barato, bem “fast consume” (ou seja, rapidamente a pessoa encontra a solução)? Talvez um e-book atenda essa demanda. Agora, se for uma solução mais personalizada para cada cliente, talvez o formato de mentoria seja melhor e assim por diante.

 

Aqui também é o momento de pensar nas ferramentas que você irá utilizar tanto para produzir o infoproduto, como para ofertá-lo para seus clientes, como será a experiência do usuário na plataforma, como você irá se comunicar com os clientes, etc.

 

6 – Defina a precificação do seu infoproduto

 

Colocar um preço no que você oferece pode ser um dos maiores desafios para os infoprodutores. Existem algumas coisas que você precisa pensar e que pode ajudar a “nortear” a precificação do seu infoproduto.

 

Primeiro, é avaliar o seu público-alvo. Qual é o público que você quer atrair para o seu negócio? Quais são as condições dele? Quanto ele pagaria para ter essa solução?

 

Segundo, é interessante avaliar os seus concorrentes e infoprodutos similares aos seus. Quanto eles estão cobrando? O que eles oferecem por este valor?

 

Depois, você precisa avaliar o seu próprio produto. Quais são as taxas que você irá precisar desembolsar por venda (comissão de colaboradores, taxas das ferramentas, etc)? Quanto o seu produto vale?

 

Uma coisa muito importante para se ter na cabeça sempre: PREÇO é diferente de VALOR, este é o grande segredo de precificar da maneira certa.


Vamos ver isso no próximo e último passo!

7 – Crie uma oferta irresistível

 

Ok, você seguiu todos os passos até aqui e criou o melhor produto possível para o seu cliente.

 

Colocou um preço acessível, condizente com seu público-alvo e seus concorrentes.

 

Mas por que seus clientes escolheriam o SEU produto e não qualquer outro similar na internet?

 

Você precisa gerar percepção de valor para seus clientes.

 

Seu cliente precisa sentir que este problema que ele tem está o impedindo de ser mais feliz e que o seu produto é não apenas a melhor solução, mas a única solução possível para ele.

 

Use e abuse de gatilhos mentais, crie a sua PUV (proposta única de valor) e faça com que o cliente enxergue tanto retorno positivo em seu produto, que o preço cobrado para adquiri-lo ficará barato, diante de tanta transformação que seu produto trará para a vida dele.  

 

Dica Bônus #1: venda em ESCALA

 

Esse é o grande “pulo do gato” dos negócios digitais e dos infoprodutos.

 

Depois que você seguiu todos os 7 passos e criou um produto irresistível, de altíssima qualidade, você irá divulgá-lo para fazer suas primeiras vendas.

 

Após essa fase, seus investimentos serão todos direcionados para DIVULGAR o produto, não mais para produzi-lo… 

 

Diferente de um curso presencial, por exemplo, onde em cada nova turma você tem gastos com apostilas, localização, certificado impresso e outros materiais, o infoproduto permite um único investimento em produção, e depois apenas colher os frutos de um trabalho bem feito.

 

E mais: enquanto, em uma turma presencial, você consegue colocar no máximo 50, 100, 300 alunos em uma única sala, com os infoprodutos, o céu é o limite.

 

Imagina ter alunos novos todos os dias? Poder ajudar, simultaneamente, 5.000, 50.000 alunos de uma vez?

 

Esse é o potencial ESCALÁVEL dos infoprodutos e o que fará seu negócio multiplicar seu faturamento sem, necessariamente, aumentar as despesas na mesma medida. 

 

Dica Bônus #2: conte com a ajuda de especialistas

Seguindo o passo a passo desse post você, com certeza, já está disparado na frente da concorrência e, acima de tudo, será um infoprodutor com um produto de qualidade, que realmente transforma a vida de seus clientes.

 

Mas, se você quiser uma força extra, pode sempre contar com uma mãozinha de especialistas em criação de infoprodutos.

 

A HeroSpark oferece diversas soluções para o infoprodutor! E eu, através do Meu Produto na Web, posso te acompanhar neste passo a passo e criar um produto extraordinário.

 

Curtiu esse post? Deixe a sua opinião nos comentários!

 

*Conteúdo produzido por Vanessa Dias, criadora do Meu Produto na Web.

Mais artigos para você

OBS Studio: como usar no seu negócio digital

De acordo com dados divulgados pela SEMRush, há 70% mais de chance das pessoas lembrarem da sua empresa depois de …

Como criar canal no Youtube

A maior plataforma de vídeos do mundo tem mais de 15 anos de existência. Aprender a criar um canal no …

Como fazer um plano de aula

Assim como a estratégia está por trás de todo negócio bem estruturado, o plano de aula é um dos fatores …

Storytelling: o que é e como usar?

Quem está à frente de um negócio, seja grande ou pequeno, sabe da luta contínua e diária para engajar o …

Backlinks: como e por que utilizar no seu site?

Backlinks são, simplesmente, links inseridos em uma página que podem levam o leitor a outra. Você pode usar tanto links …

Como criar um blog

Engajar o público é uma tarefa difícil, mas que rende ótimos frutos. Saber como criar um blog para a sua …